sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Argentina: El Enemigo Cabernet Franc 2014

Sim, sou amante da Cabernet Franc, sim gostei do El Enemigo Cabernet Franc 2011, e sim resolvi voltar!

Abri-o achando que ainda deveria dormir um pouco mais porém, ainda que certo disso, o vinho estava delicioso. Escuro, os tons violetas dominam. Cerejas, cassis e outras frutas vermelhas aparecem junto a especiarias, notadamente pimenta preta, sendo notados cedro e baunilha, isso tudo no conjunto nariz+boca. Algo de menta ou eucalipto de vez em quando. Geralmente apresenta um corte leve de Malbec no conjunto, mas acho que esse é 100% Cabernet Franc.

Tentei apreciá-lo devagar mas a garrafa desapareceu, achei até que estava vazando mas não foi o caso. Uma maravilha. 96 pontos dados pelo Tim Atkin MW, 91 RP e James Suckling e 90 na WE (acho o pessoal da WE muito preconceituoso com os vinhos do cone sul).

Na Mistral é a safra da vez, se for comprar recomendo ao menos duas, uma para apreciar agora e outra para guardar por mais uns dois anos pelo menos.

This excellent Cabernet Franc from the rock and roll wine wizard Alejandro Vigil, the winemaker of Catena Zapata and probably the major responsible for the recent all-eyes-on Gualtallary area in Mendoza. Great ageing potential but ready to enjoy, pushing cassis and sweet spices right into your nose and palate, together with ceddar, vanilla, currants and black pepper with hints of eucalyptus in mouth. Amazing. Tim atkin gave it 96 points, 91 Wine Advocate and James Suckling and the Wine Enthusiast (I am not a Enthusiast of them) 90 points.


Nota -> 4,5 de 5.

Preço -> cerca de R$130,00.

Site -> El Enemigo.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Portugal: Ciconia Tinto 2015 #CBE

Post atrasado, tema de julho, já havia bebido esse vinho e muito me agradou, continuou a agradar. O tema foi dos colegas Maykel e Anna do Vinho por 2. "No ano de 2016 o segundo maior importador de vinhos do Brasil foi um supermercado. Por isso, nada melhor do que comentarmos o que tem de bacana nas gôndolas, falando de qualquer tipo de vinho, de qualquer faixa de preço, que seja encontrado em supermercado".

Este vinho foi comprado num mercado da rede Hortifrutti. Touriga Nacional, Syrah e Aragonez dão cor púrpura com traços rubi, fazem um grupo de uvas com muitos aromas de frutas vermelhas e frescas, mas como se ainda não estivessem totalmente maduras, interessante. Ainda se pesca um tostadinho e talvez um floral de leve...
Na boca é bem fresco, fluido, taninos educados e final curto. Mais frutinhas e algo levemente apimentado. Gostoso o vinho, se dá muito bem com comida e é ótima pedida pra um pizza mais "forte" na minha opinião.

Touriga nacional, Syrah and Aragonez (also called Tinta Roriz in Portugal and is the same as Tempranillo in Spain) make a purple ruby hinted fluid, not very concentrated, showing many and beautiful red fruit on the nose, sometimes lightly toasted. This is the main quality of this wine.
The mouth comes fresh and fast, bringing more fruits and pepper. Interesting, good for food and maybe very good for pizza.


Nota -> 3.5 de 5.

Preço -> cerca de R$60, é importado pela Cantu.

Site -> Herdade São Miguel.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Portugal: Casa das Mouras Reserva Tinto 2012 #CBE

Vinho bebido para a postagem da CBE para o mês de agosto, o tema foi proposto pelo Gil do ótimo Vinho para Todos: um tinto do Douro. Todo dia primeiro de cada mês há um novo tema desta que é a mais antiga confraria virtual em atividade no Brasil!
Digo e repito: os vinhos da península Ibérica têm um lugar especial no meu coração. Mas esse me deixou um pouco chateado, acredito que não tenha sido armazenado corretamente pois já havia provado esse vinho em outra ocasião e havia me dado uma impressão muito boa.

Bom, Touriga Nacional+Touriga Franca+Tinta Roriz descansam 12 meses em barris franceses; com 5 anos ainda apresentou uma cor violeta, digna de um garoto. O nariz trouxe frutas vermelhas maduras e um fundo suave de baunilha, mas todos muito tênues. Na boca uma lembrança meio balsâmica junto às frutas, taninos já macios porém presentes, e um final que parece ser comprido mas termina antes do que ensaiou.

O rótulo achei bonito e representa a visão do artista Nuno Barreto sobre a propriedade.

Touriga Nacional, Touriga Franca and Tinta Roriz (also known as Aragonez and Tempranillo), 12 months ageing in french oak barrels. Violet colour, berries dominating the aroma with a soft vanilla background, sometimes you taste something balsamic. Fine tannins with a medium length finish. I was expecting more but maybe it was not well maintained, as I did not bought it from a wine store but from a supermarket and here in Brazil not all of them give the proper attention to the bottles.


Nota -> 3 de 5.

Preço -> R$99,00 no Hortifrutti.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Espanha: Clos Gebrat Tinto 2015

Esse Clos Gebrat é tido como uma introdução aos vinhos do Priorato, na Espanha. Esta região ganhou mais notoriedade nos últimos anos com seus vinhos potentes e possivelmente longevos, de muita fruta e álcool. Um estilo bem apreciado pelo pessoal do tio Parker. Mais a região começou a ser melhor notado há cerca de 20/25 anos.

Um vinho feito de Garnacha, Cariñena (ou Grenache e Carignan em francês), Merlot, Syrah e Cabernet Sauvignon, 8000 garrafas. Recebeu 92 pontos da W&S figurando como um dos best buys, e foi o Top Catalan Wine of the Year em 2013. Não passa por barris e suas uvas são de diversos pequenos vinhedos da propriedade.

Um vinho de muita fruta vermelha no nariz e boca, framboesas e morangos dão o tom, com algo de ervas secas e temperos, aliados a bastante álcool. Em alguns momentos bate como um licor.

Interessante, talvez mais alguns anos o façam harmonizar-se melhor.

Blend made with Grenache, Carignan, Merlot, Syrah and Cabernet Sauvignon, expressive red fruit on the nose and palate, with herbs and spices behind but well noticed. A lot of alcohol. Sometimes it appears to be a very soft liquor.


Nota -> 3.5 de 5

Preço -> R$54,90 no Evino

Site -> Vinicola del Priorat.


quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Italia: Donna Lorenza Pinot Grigio Blush #CBE

O tema para a CBE de outubro foi: vinho rosé do velho mundo sem limite de preço, escolhido pelo confrade Alexandre Takei, do Notas Etílicas.

Este foi provado num vôo para Paris. Um rosé italiano do Veneto, algo bem diferente do que circula por aqui no blog.
A Pinot Grigio (originalmente Pinot Gris - gris é cinza), é muito utilizada para fazer vinhos brancos, apesar de possuir casca rosada. É tida como uma mutação da Pinot Noir, acredita-se ter origem francesa, e tem diversos nomes pelo mundo (Sivi Pinot na Eslovênia, Grauburgunder na Austria), até mesmo outros nomes na própria França. Seus vinhos são geralmente bem característicos, com alta acidez, algumas vezes simples mas refrescantes e em alguns casos com traços minerais interessantes.

Pinot Grigio e Pinot Gris apesar de ser da mesma uva, são considerado estilos distintos, com o grigio sendo leve, refrescante e de boa acidez.

Este porém não me agradou muito, visto que em minha opinião sobrou açúcar numa textura já bem próxima de um tinto leve, embora de cor bem rosada. Aromas altamente frutados, traços cítricos, na boca novamente frutado e com um relativamente longo final. 
Também trazia alguma acidez, mas achei-o enjoativo. 

This rosé wine is from the Veneto region, close to Venice. It has sweet red berry aromas, with hints of citrus notes. The flavour is soft and fruity with a long, refreshing finish. Did not like as it has presented himself a little bit oversweet for my palate.

Nota -> 2.5 de 5.

Preço -> Descohecido

Site -> ???

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

França: Réserve Sainte-Anne Picpoul de Pinet 2015 #CBE

Para o tema de janeiro da CBE (a confraria brasileira de enoblogs, que em fevereiro completará dez anos!), o Victor do Balaio do Victor pediu que provássemos um vinho de um país que nunca houvéssemos provado, branco ou tinto, propondo harmonização se possível.
Alguns confrades solicitaram que o tema fosse ampliado, e eu particularmente pedi que incluísse regiões que nunca provamos, para facilitar um pouco. Embarquei nessa solicitação e provei esse ótimo branco francês.

Feito com a Picpoul de Pinet, muito conhecida também como Picpoul Blanc, é uma uva plantada praticamente só na França na região conhecida como Languedoc-Roussilon, a despeito de algumas tentativas nos EUA e poucas áreas em Portugal e Espanha, onde são conhecidas com outros nomes (Avello e Picapoll).

Pic-poul é entendido como pica-lábio, esse nome lhe foi dado por conta de sua elevada acidez. Esse vinho especificamente tinha uma ótima acidez combinada a bastante frutas cítricas, num belo conjunto de boca, tudo belamente encaixado e que surpreendeu após os delicados aromas florais e da bela cor amarela apresentada em taça.

Deve ser bebido mais frio que de costume, o que foi bem providenciado pelo balde de gelo, e de preferência ainda jovem. Este vinho foi maravilhosamente harmonizado com um halibute e logo após com uma excelente e variada tábua de queijos!

This is a wine from a grape never proven before - and I really appreciated it! This picpoul de pinet (or picpoul blanc as well) comes from Languedoc-Roussilon, and translates literally as 'stings the lip'. Approaches to a golden yellow in glass, delicate and pleasant floral notes, fresh and elegant in mouth with great and surprisingly well-placed acidity. Absolutely great with fish and with cheese. Another blog that tasted it: Wildcard.


Nota -> 4 de 5.

Preço -> £25

Site -> ???

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Argentina: Bressia Monteagrelo Cabernet Franc 2013

A história desse vinho começa com o erro da Vinum Day ao me enviar a safra 2013 ao invés da 2011,
a qual havia sido anunciada.

Bom, como fui informado que a 2011 não havia mais garrafas disponíveis, sendo algumas garrafas da 2013 enviadas na mesma remessa, só me restava degustá-lo...

Conheci os vinhos da Bressia com o ótimo Profundo, um vinhaço. A linha Monteagrelo é a linha de varietais da Bressia.

Um belo vinho, a fruta vem com força mas não é exagerada, traz também traços de pimentão e algo como grafite, aliado a uma boa mineralidade. É firme, carnudo, boa acidez mas ainda assim mostra características de uma linha mais francesa. Um belo vinho.

A very nice argentinian cabernet franc, brings together mendoza and france characteristics, fruits, pepery aromas, graphite, nice texture, good presence, acidity, some minerality. But still keeps a french leg. Try it.

Nota -> 4 de 5.

Preço -> R$139,00.

Site -> Bodega Bressia.